Gentleman no tênis

Quem joga tênis já deve ter ouvido algumas vezes:

-Você joga tênis? Que chique!!!

Eu já ouvi bastante.

LONDON, ENGLAND – NOVEMBER 20: (Back L-R) Juan Martin Del Potro of Argentina, Novak Djokovic of Serbia, Andy Murray of Great Britain, Fernando Verdasco of Spain, Nikolay Davydenko of Russia, Robin Soderling of Sweden, Roger Federer of Switzerland and Rafael Nadal of Spain pose for a photo during the Barclays ATP World Tour Finals – Media Day at the County Hall Marriot Hotel on November 20, 2009 in London, England. (Photo by Julian Finney/Getty Images)

Mas por que as pessoas tem essa ideia do nosso esporte? Eu acredito que seja porque é realmente um esporte que veio da realeza, e era praticado pelos nobres.

Com o passar do tempo se popularizou e um número enorme de praticantes aderiu ao antigo “jeu de paume ” (jogo de palma), que se transformou no tênis de campo como vemos hoje em dia.

Atitudes gentis

Talvez pelas suas origens, logo que entrei no mundo do tênis, percebi bem a diferença entre o comportamento das pessoas que praticavam tênis e aquelas que praticavam outros esportes.

Logo aprendi que era falta de educação bater palma no erro do adversário, que devíamos marcar corretamente os pontos, as bolas, e que era preferível dar o ponto ao outro se não víssemos se foi dentro ou fora.

Djoko reconhece o ponto do Dimitrov após juiz determinar primeiro saque

Isso me chamou muita atenção! Em uma atividade onde uma das coisas principais era a competição, como se poderia conciliar a gentileza com a disputa?

Educação familiar

Nas minhas andanças nos torneios juvenis, logo percebi que não era bem assim…Joguei contra meninas que não tinham um pingo de educação. Marcar corretamente os pontos então, era fora de cogitação.

Eu nunca conseguiria ter amizade com essas pessoas fora da quadra. A minha conclusão era que eu seria tradada da mesma forma que fui dentro da quadra!

Se isso é verdade ou não, eu não sei. O que sei é que tenho também excelentes recordações e contato com pessoas maravilhosas dessa época, e que dentro e fora da quadra, me tratavam com o mesmo respeito e gentileza.

Nenhum título ou premiação justificaria uma grosseria ou desrespeito com minha adversária. Isso eu aprendi com minha família (pai, mãe, tios e tias).

Cultura japonesa

Minha origem japonesa, me deu o direito de participar de torneios de tênis onde fui percebendo algumas coisas diferentes do que eu via nos outros.

Sempre éramos recebidos com um cumprimento, um sorriso, mesmo por aqueles que não eram os organizadores do evento.

Os acompanhantes dos jogadores (pais, treinadores) geralmente sentavam-se juntos e aplaudiam os pontos dos dois lados. Numa demonstração de admiração pelo jogo que estava sendo realizado, e não apenas torcendo para seu pupilo pisar no pescoço do outro.

A questão da sociedade japonesa e como se fortaleceram no pós-guerra é um exemplo de mentalidade de cultura social coletiva, e não uma cultura de pensamentos individualistas e egoístas.

Gratidão

Quando termina um jogo, ao cumprimentar seu adversário você diz “obrigado”, o que isso significa?

Eu, quando criança, não entendia muito bem. Eu entendia quando alguém me dizia parabéns, pois tinha vencido. Parabéns e obrigado ao final do jogo, quando eu tinha perdido, eu não entendia…

Mas, felizmente aprendi os significados!

Agradecer seu adversário, é agradecer por aquele momento que ele proporcionou à você! Vencendo ou perdendo, se não há adversário, não há jogo!

Por mais que tenha sido muito difícil jogar, você tem que agradecer, nem que seja nos seus pensamentos. Pois as dificuldades nos fazem crescer.

Era a bola sem peso que estava te incomodando? Você precisa treinar!

Era o balão que te irritava? Você precisa saber jogar contra!

Ele só mandava no seu backhand? Por que você não treinou mais?

Vídeo sobre o backhand!

O adversário nos mostra onde temos que melhorar. Pode ser na técnica, nas táticas, no nosso preparo mental, ou físico! Ele merece nosso agradecimento.

E quando é um parceiro de treino então! Nem se fale! O companheiro que nos ajuda a praticar e treinar no dia-a-dia, merece nossa gratidão eterna! Pois além de nos servir de sparring, ainda aguenta nossas variações de humor quando a bola não entra!!!

Não se esqueça de dizer a ele: muito obrigado!

Cultura no tênis

Há pouco tempo, publiquei um post sobre boas maneiras no tênis. Cito um código de conduta da USTA, que demonstra claramente a tradição de respeito do tênis.

O esporte é uma excelente oportunidade de manifestar o amor pelas pessoas. Mesmo em situação de competição, aquele momento é uma simulação de conflito. E não um conflito real!

Podemos disputar os pontos e querer vencer, mas por trás disso, o mais importante, é que nós servimos uns aos outros. E o jogo só será possível se existirem dois lados!

Gentileza e gratidão

É por isso, que os valores como a gentileza e a gratidão deverão estar presentes nos nossos valores e condutas, mesmo dentro de uma batalha de tênis!

Sugiro que você pense como anda sendo sua conduta dentro das quadras. E fora das quadras também.

No torneio, você cumprimenta seu adversário, ou se comporta como estivesse na segunda guerra mundial?

Ao terminar o jogo, o parabeniza? Agradece? Pede desculpas por algum eventual conflito?

Um mundo melhor, começa nas pequenas atitudes. Elas podem ser vistas nas quadras de tênis. Seja um exemplo e ajude a disseminá-las!

Dedicatória

Dedico esse post ao Dr. Lauro Otsuka, tenista que dedicou muito do seu tempo à Federação Paulista de Tênis, e busca através de seu próprio exemplo, disseminar a cultura da gratidão e da gentileza.

Pois, como ele mesmo disse, falta ao tênis, e principalmente, falta ao mundo. Mas com bons exemplos, podemos modificar nosso ambiente e influenciar as pessoas que nos rodeiam.

Dr. Lauro, muito obrigada pela sua amizade e confiança! E parabéns pelas sua atitudes gentis sempre!

4 comentários em “Gentleman no tênis

  • 10 de Maio de 2019 em 10:59
    Permalink

    Lindo post! Merecida homenagem a Lauro Otsuka, um grande gentleman e exemplo a ser seguido dentro e fora da quadra.

    Resposta
    • 10 de Maio de 2019 em 12:07
      Permalink

      Verdade, Márcia! Sorte a nossa ter alguém como o Lauro no nosso caminho tenístico! Obrigada pela sua participação! Beijosss

      Resposta
  • 10 de Maio de 2019 em 18:29
    Permalink

    Prof.Thais, muito obrigado pela dedicatória.

    Viva a VIDA com integridade, contribuindo e fazendo uma diferença no mundo.

    Resposta
    • 10 de Maio de 2019 em 18:48
      Permalink

      Lauro, obrigada por me incentivar a manifestar meus pensamentos através do meu trabalho! Graças ao tênis tive a oportunidade de te conhecer e aprender a valorizar cada um que está presente na nossa convivência. Respeitar e agradecer são excelentes formas de manter e ganhar novas amizades! Obrigada por tudo!

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *